A geração distribuída é caracterizada pela instalação de geradores de pequeno porte, normalmente a partir de fontes renováveis ou mesmo utilizando combustíveis fósseis, localizados próximos aos centros de consumo de energia elétrica. De forma geral, a presença de pequenos geradores próximos às cargas pode proporcionar diversos benefícios para o sistema elétrico, dentre os quais se destacam a postergação de investimentos em expansão nos sistemas de distribuição e transmissão; o baixo impacto ambiental; a melhoria do nível de tensão da rede no período de carga pesada e a diversificação da matriz energética.

Desde 17 de abril de 2012, quando a ANEEL criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica, o consumidor brasileiro pode gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis ou cogeração qualificada e inclusive fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade.

O QUE É O SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA?

A Resolução Normativa ANEEL n 482/2012 alterada pela Ren 687/2015 define o sistema de compensação como um arranjo no qual a energia ativa injetada por unidade consumidora com Microgeração e Minigeração Distribuída (GD) é posteriormente compensada com consumo de energia elétrica ativa.

É basicamente um sistema de troca de energia onde a concessionária passa a ser uma bateria virtual guardando sua energia para mais tarde lhe servir, tanto do crédito gerado como da própria energia gerada pela concessionária local.

DIFERENCIAÇÃO DE MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Para efeito de diferenciação, a Microgeração Distribuída refere-se a uma central geradora de energia elétrica, com potencia instalada menor ou igual a 75 quilowatts (kw), enquanto que a Minigeração Distribuída diz respeito as centrais geradoras com potencia instalada superior a 75 kw e menor ou igual a 3 megawatts (mw) para a fonte hídrica, ou 5 mw para as demais fontes.

A ANEEL através das suas atribuições altera a Resolução Normativa 482/12 , e os Módulos 1 e 3 dos Procedimentos de Distribuição – PRODIST, com a Resolução Normativa 687/15. Clique aqui e confira esta resolução.

PASSO A PASSO

  • 1 São instalados painéis solares no telhado ou outro lugar, que transforma energia solar em energia contínua (CC) e envia para o inversor;
  • 2 – Antes de chegar ao inversor da casa passa por uma caixa de proteção (string box) que protege a instalação contra curtos-circuitos e os surtos elétricos (raios);
  • 3 – Inversor: Este aprovado pelo INMETRO e, agora dimensionado pela ESV SOLAR VIDA, recebe essa corrente contínua (CC), converte em corrente alternada (CA) e envia para o quadro de distribuição da casa, onde haverá um disjuntor.Pronto. Você é um gerador de energia!Agora que a energia é alternada , pois a casa e os eletrodomésticos consomem deste tipo, usufruirá dos benefícios que irá proporcionar, e o mais importante é a economia que lhe proporcionará expandir naquilo de sua prioridade.
  • 4 – O excesso de energia vai para a rede gerando credito: A energia produzida durante o dia (fotovoltaica) vai alimentar a casa (conforme o dimensionamento projetado) e o excesso passa pelo relógio (agora , bidirecional) que registra o seu consumo e crédito gerado. A diferença do que injetou e do que consumiu vai gerar a conta final, observado o que concerne a norma a respeito do excesso, ou seja, dos créditos, modalidades, como forma de compensar, abater a energia produzida. Lembrando que o excedente terá um prazo de 5 anos para resgatar!

ETAPAS DO PROCESSO

AVALIAÇÃO

Primeiro visita ao local:
São levantados todos os dados no local como: estrutura , possíveis sombreamentos , direção da(s) água(s) do telhado, se norte, sul, leste ou oeste, distância do quadro da casa, local a se instalar o inversor e string box, dentre outros.

DIMENSIONAMENTO

Diante dos dados, vamos fazer o dimensionamento para atender à sua necessidade. Serão levantadas quantidades de placas e suas potencias, inversor(es) a ser(em) usados (tudo de excelente qualidade), gráficos ilustrativo comparativo (custo do investimento x retorno financeiro), estimativa anual de economia de energia e mensal, payback. Enfim , tudo demostrando como o negocio é bom. Nesta fase o cliente recebe o orçamento, firmamos o contrato e damos início a obra.

PROJETO

Nossa equipe especializada toma a frente do andar do projeto, cuidando da papelada e dos detalhes junto à concessionária de energia local. Nossos profissionais são altamente capacitados para garantir que tudo esteja devidamente legalizado. Já com o parecer da concessionária, damos sequência à compra dos equipamentos, preparamos a área a receber a instalação.

INSTALAÇÃO

Com tudo vistoriado e já estruturado para receber a fonte geradora, daremos início a instalação tao esperada.

MONITORAMENTO

Concluída a instalação e liberada, haverá um monitoramento no período pós-instalação de praxe.

ECONOMIA

Pronto! Agora você pode gerar SUA PRÓPRIA ENERGIA e ficar livre para investir em outra área , livre da inflação tarifária e eventuais aumentos pela bandeira vermelha e etc. Lembrando que o custo de aquisição se paga em pouco tempo e o sistema dura de 25 a 30 anos com baixa manutenção.